Carregando... Aguarde...

Newsletter


Diferenças dos Chás verde, branco e vermelho

Postada em 27th Jan 2012 @ 12:58 PM

Chá verde, branco e vermelho


Drª Carina Tafas - Nutricionista Funcional e Personal Diet
E-mail: ctafas@yahoo.com.br

O Portal Nutrição em Foco não se responsabiliza pelas informações veiculadas. Elas  são relatos da opinião e conduta dos profissionais entrevistados.

 

Nutrição em Foco (NeF): Qual a diferença entre os três chás? Qual é o mais saudável?

Carina Tafas (CT): Todos eles são obtidos da Camellia Sinensis e o que diferencia é a maturação da planta no momento da colheita (Chá branco e chá verde) e processo de fermentação após a colheita (chá vermelho).

  • Chá Branco: são as folhas mais jovens da Camellia Sinensis. Ele é colhido ainda broto, e não passa por etapas que eliminam parte dos antioxidantes naturais, o que não acontece com o chá verde. Por isso ele apresenta uma quantidade menor de cafeína e concentra maior poder antioxidante e mais nutrientes do que os outros chás. Quando pronto, a bebida tem uma cor clara verde acinzentada e sabor mais adocicado.
  • Chá Verde: também é obtido das folhas da Camellia Sinensis e sofre um processo logo após a colheita e secagem, para que sejam inativadas enzimas que não degradem as catequinas, que são os principais compostos dos chás obtidos das folhas da Camellia sinensis que exercem diversos efeitos benéficos a saúde .É o mais amargo dos três porém é o que confere mais estudos a respeito de suas propriedades terapêuticas. Suas ações comprovadas são: antioxidante, antiinflamatória, protege contra doenças neurodegenerativas, destoxificante, reduz a absorção de LDL (mau colesterol) e triglicerídeos, aumenta o gasto energético e oxidação de gorduras, entre outras.
  • Chá Vermelho: Passa por um processo de fermentação longo, que o torna diferente do chá verde em diversos aspectos, porém ainda não temos comprovado cientificamente quais as substâncias presentes neste chá e suas concentrações que serão responsáveis pelo efeito benéfico. Feito com folhas e brotos semifermentados da Camellia Sinensis obtidas em diferentes estágios de desenvolvimento, seu aroma é mais suave que o chá preto e não tem o gosto marcante do chá verde, sendo um amargo que termina com sabor adocicado na boca. Ainda não existem estudos científicos que determinaram as concentrações das substâncias presentes no chá vermelho, portanto, não podemos dizer ao certo qual é o seu benefício em relação ao chá verde e ao chá branco.  Algumas evidências sugerem que este chá, além de seu efeito na queima de gordura, poderia exercer efeitos benéficos na redução do colesterol, desintoxicante, além de acelerar o metabolismo do fígado. Porém, estudos precisam ser realizados para comprovar estas ações, além de garantir a segurança do consumo deste produto. 

NeF: Qual é a indicação para consumo dos chás?

CT: Os chás são indicados a todas as pessoas que pretendem se beneficiar de suas propriedades que vão muito além do emagrecimento. As catequinas presentes nos chás obtidos da Camelia sinensis são consideradas potentes antioxidantes e antiinflamatórios, pois inibem a ativação do fator NF-kB, que é um ativador da inflamação. Portanto, o consumo regular destes chás oferece diversos efeitos protetores ao organismo, devido a redução do processo inflamatório de uma maneira geral, auxiliando na prevenção do desenvolvimento de doenças crônicas como o câncer, diabetes e doenças cardiovasculares, além de poder auxiliar na perda de peso, quando associado a outras mudanças na alimentação e hábitos de vida.   Porém, devido a presença dos taninos, que são substâncias que podem inibir a absorção dos outros nutrientes que ingerimos em nossa alimentação, é recomendado que estes chás sejam consumidos longe das principais refeições, para que não ocorra esse prejuízo na absorção dos nutrientes, principalmente do ferro. O ideal é que seja 1h30min após as refeições. Além disso, pela presença de cafeína, é importante que esses chás sejam evitados ser consumidos a noite, para não prejudicar o sono.  

NeF: Qual a diferença entre as cores do chá?

CT: O chá branco é o chá colhido ainda broto. A colheita é realizada antes que ocorra a síntese de clorofila nas folhas, quando ficam verdes e começam a abrir. Fica com uma coloração prateada, devido à fina penugem branca que recobre os brotos, daí a origem do nome chá branco.
O chá verde é obtido por meio do murchamento das folhas com vapor que, em seguida, são secas, fase na qual ocorre a inativação de uma série de enzimas, chamadas de polifenóis oxidases. As folhas permanecem verdes e não sofrem qualquer tipo de alteração na sua composição, e o chá resultante desse processo apresenta sabor amargo.   Já a maturação do chá vermelho demora cerca de 60 anos e as folhas são armazenadas em barris, em condições especiais e durante o processo, a erva ganha cor de terra avermelhada com sabor terroso, porém sem amargor.

NeF: Qual é o mais eficiente para o emagrecimento?

CT: O chá branco, por ser produzido a partir de folhas mais jovens da Camellia sinensis, possui maior concentração dos compostos ativos do chá, podendo então aumentar o seu efeito na queima de gordura. Portanto, estudos ainda devem ser realizados para a total comprovação dos benefícios do chá branco.
 
NeF: Qual a medida certa de ingestão diária , para cada um dos chás?

CT: O ideal para qualquer um deles, é 500ml por dia, aproximadamente 4 a 5 xícaras, já que os estudos ainda não fecharam uma recomendação específica para o consumo de chá branco e chá vermelho. No entanto, esta recomendação já atinge as concentrações dos nutrientes e compostos bioativos necessários para garantir seus efeitos benéficos. Uma dica legal é fazer pela manhã e ir consumindo ao longo do dia. Colocar numa garrafinha (de preferência, que não seja de plástico) e levar para o trabalho.  Porém, é importante lembrar que ele nunca deve ser reaquecido, pois perde as propriedades.

NeF: Os chás verde, branco e vermelho realmente aceleram o metabolismo, ajudando na perda de peso? Se sim, qual deles tem maior potencial nesse efeito?

CT: Sim, eles apresentam efeito termogênico, porém sem comprovação científica ainda de quais substâncias presentes no chá são responsáveis por este efeito benéfico.  Além disso, o chá verde age na  inibição da atividade da lipase intestinal (pancreática), cujo efeito se traduz numa menor absorção de triglicerídeoas e colesterol, podendo acarretar um menor ganho de peso. Já o chá branco, por ser produzido a partir de folhas mais jovens da Camellia sinensis, possui maior concentração dos compostos ativos do chá, podendo então aumentar o seu efeito na queima de gordura.

NeF: Estes chás podem ser consumidos por portadores de hipertensão?

CT: Pela presença de cafeína no chá, é importante lembrar que pessoas com pressão alta devem consultar seu médico e/ou nutricionista antes de consumir o chá, pois devido a presença desta substância, pode promover um aumento na pressão sanguínea destas pessoas. Uma dica para diminuir a concentração de cafeína do chá é: fazer uma primeira infusão de 3 minutos, desprezar o chá e voltar a fazer a infusão de 3 minutos. Beber apenas o chá do segundo procedimento.
 
NeF: O que fazer para diminuir o sabor amargo do chá verde?

CT: O sabor amargo e adstringente do chá é devido à presença de compostos fenólicos chamados TANINOS. Os taninos de baixo peso molecular conferem o sabor amargo e os de alto peso molecular, presentes nos vinhos, dão o sabor adstringente. Para diminuir o sabor amargo dos chás, a infusão não deve ultrapassar 3 a 4 minutos, desta forma estes compostos serão menos liberados. Melhor forma de fazer o chá:
Coloque a água para ferver e assim que surgirem as primeiras bolhas de ar (antes de começar para valer o processo de ebulição), apague o fogo. Coloque 500ml de água num pote de vidro ou porcelana e  acrescente 1 colher (sopa) de chá e abafe (infusão) por 3 a 4 minutos. Coe, despeje em uma garrafa e beba ao longo do dia. O ideal é não acrescentar adoçantes nem açucares.

 

créditos e fonte: http://www.nutricaoemfoco.com.br/pt-br/site.php?secao=corpoemente&pub=2878

Data de publicação: 15 de junho de 2009

 

 

 

Chás: verde, branco e vermelho

por Carolina Mouta | 01/06/2009

A nova moda é beber para emagrecer. Mas será que funciona mesmo?


 


Chás: verde, branco e vermelho

Chá já não é mais coisa da vovó. As mulheres modernas estão antenadíssimas nos benefícios da bebida para a saúde e boa forma. Um bom exemplo é a febre do chá verde que invadiu o mercado brasileiro. Agora, porém, ele não está mais sozinho. A chegada do chá branco e, mais recentemente, do vermelho, abriram o leque de opções para quem quer emagrecer e ter uma uma vida mais saudável. Para se ter uma idéia, pesquisas feitas pelo Instituto Linus Pauling de Ciências e Medicina, da Califórnia, nos Estados Unidos, comprovaram a existência de bioflavonóides e catequinas no chá branco que, em conjunto com a cafeína, inibem mutações genéticas que podem originar o câncer.

 

Veja mais:

 

As diferenças entre eles: o verde, o branco, o vermelho e o preto

 

A história do chá

 

Os chás vermelho, branco, verde e preto são provenientes da mesma planta, a Camellia sinensis, originária do sudeste asiático, e passam por formas diferentes de colheita e fermentação. Por isso a potência das propriedades é diferente de um tipo para o outro. Aí é que está o segredo de cada um. Enquanto o chá verde tem as folhas aquecidas e secas, resultando na oxidação dos seus componentes, o chá branco é coletado antes de suas flores se abrirem, quando há brotos cobertos por fina penugem esbranquiçada. Então, os brotos e as folhas da planta são cozidos ao vapor e submetidos à secagem. Este preparo assegura uma concentração maior dos princípios ativos.

 

“Para emagrecimento, deve-se tomar uma xícara de chá branco três vezes por dia. Para rejuvenescimento, pode-se tomar duas xícaras de chá vermelho por dia. O efeito antioxidante do chá verde pode ser alcançado com uma xícara ao dia”

 

Outro fator que os diferencia é o grau de fermentação. "No caso do chá vermelho, a fermentação ocorre no final do processo de preparo. A primeira etapa de preparação do vermelho é a eliminação das enzimas. Em seguida, as folhas são misturadas (o que aumentará o aroma), e, depois disso, a mistura permanece um período secando - são 60 anos de maturação. As folhas são comprimidas e armazenadas em barris, em condições muito especiais, cujo segredo continua bem guardado. Para finalizar, ocorre a fermentação. Somente após todas as etapas as folhas são selecionadas", explica Wilson Rondó Jr., especialista em medicina preventiva molecular. Tanta demora na maturação e a grande procura deu origem a um processo mais rápido, que acelera o envelhecimento do chá vermelho. Mas o resultado está longe de ser o mesmo, pois o chá produzido é de qualidade inferior e, segundo Rondó, não apresenta os mesmos efeitos.

 

O que eles têm de bom?

 

Como são provenientes da mesma planta, os chás verde, branco e vermelho possuem propriedades bastante parecidas. "Todos têm propriedades antioxidantes, diuréticas, anti-câncer (inibem o crescimento de tumor, segundo alguns estudos), emagrecedoras, purificadoras e adelgaçantes", diz Rondó. A médica ortomolecular Sylvana Braga completa: "Também são antigripais, antibacterianos e anticoagulantes". Gláucia Padovan, nutricionista da rede Mundo Verde, aponta os mais eficientes: "Teoricamente, o menos fermentado seria o mais benéfico à saúde, pela conservação dos antioxidantes. Isso daria aos chás verde e branco maiores poderes. Porém, como não existe muita informação científica sobre o chá vermelho, não sei dizer se ele teria mais efeito no emagrecimento, como prometido pelos fabricantes", observa.

 

Mas há quem simpatize mais com o chá vermelho pela fama que ganhou: ele é conhecido como o devorador de gorduras. "O chá vermelho acelera o metabolismo do fígado, favorece a redução do colesterol depurativo, é desintoxicante, usado em tratamentos adelgaçantes e de beleza, anti-depressivo e facilita a digestão, além de inibir o apetite", conta o Dr. Rondó. No entanto, as propriedades do chá vermelho já dão conta de que ele, assim como os outros tipos de chás, é apenas coadjuvante na perda do peso, não sendo nenhuma mistura milagrosa. Qualquer chá só terá sucesso se aliado a uma mudança de hábitos alimentares, tendo uma alimentação rica em frutas variadas, verduras, legumes e fibras em geral e a prática regular de exercícios. "Para emagrecimento, deve-se tomar uma xícara de chá branco três vezes por dia. Para rejuvenescimento, pode-se tomar duas xícaras de chá vermelho por dia. O efeito antioxidante do chá verde pode ser alcançado com uma xícara ao dia e, para prevenir o câncer, até quatro vezes ao dia", esclarece Sylvana Braga.

 

créditos e fonte da publicação: http://www.bolsademulher.com/especiais/chas-verde-branco-e-vermelho-52522.html

 

As diferenças entre as cores

por Carolina Mouta| 28/09/2008

Ver

Para entender os processos de obtenção e propriedades de cada um dos chás retirados da Camellia sinensis, a nutricionista da rede Mundo Verde, Gláucia Padovan, preparou uma breve explicação. Confira:

 

Chá vermelho: o depurador

 

Popularmente conhecido como devorador de gorduras. Feito com folhas e brotos semifermentados da Camellia Sinensis obtidas em diferentes estágios de desenvolvimento, são conservados em barris e sua maturação dura cerca de 60 anos. Por isso na China, onde é muito consumido nos restaurantes, recebe o nome de Pu-erh (chá envelhecido). Sem qualquer comprovação científica, dizem que ele é facilitador da digestão. Sua oxidação (que está entre o chá verde e preto) traz características peculiares: além da tonalidade vermelha, seu aroma é mais suave que o chá preto do e não tem o gosto marcante do chá verde, sendo um amargo que termina com sabor adocicado na boca. A bebida ativa o metabolismo do fígado, ajudando o corpo a queimar gorduras em vez de armazená-las; reduz de forma significativa os triglicérides, os níveis de colesterol ruim (LDL) e o ácido úrico; reforça o sistema imunológico e protege o organismo de algumas infecções; e desintoxica o organismo, evitando a retenção de líquidos.

 

Chá branco: o emagrecedor

 

As folhas jovens e os brotos da Camellia Sinensis, ainda cobertos por uma penugem prateada, são colhidos em apenas dois dias do ano, antes das flores se abrirem, o que encarece o produto. Após a colheita, estes são expostos rapidamente ao calor, com tempo e temperatura controlada, e submetidos à secagem. Devido ao processo, sugere-se que, comparado às outras variantes de chá da planta, o chá branco tenha uma quantidade menor de cafeína e concentre maior poder antioxidante e mais nutrientes do que todos os chás. Quando pronto, a bebida tem uma cor clara verde acinzentada e sabor adocicado. Acelera o metabolismo, queima e ajuda a eliminar a gordura, e neutraliza os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento celular. Também previne o câncer, diminui as taxas de LDL (colesterol ruim), evita problemas cardíacos, ativa o sistema imunológico e regenera a pele.

 

Chá verde: o estimulante

 

É considerado o "verdadeiro" chá. Feito apenas com folhas da Camellia sinensis, estas são colhidas e secas no ar, e em seguida expostas ao vapor da água e enroladas. Depois, voltam a secar naturalmente, sofrendo uma pequena oxidação e preservando os polifenóis naturais. Comumente tomada no Japão, a bebida foi introduzida com facilidade no Ocidente, já que traz da natureza mais antioxidantes do que o nosso corpo é capaz de produzir. Ao beber, sente-se um sabor levemente amargo na transparência verde. É antioxidante, ajuda a emagrecer e, de acordo com estudos asiáticos recentes, está associada à redução da gordura abdominal, uma das formas de obesidade mais perigosas e um fator de risco de doença cardíaca e diabetes. O chá verde também ajuda a prevenir o câncer, graças a uma enzima que evita que as células se tornem tumorais; estimula o metabolismo; acalma as dores de cabeça; ajuda a controlar o colesterol e limita o risco de infarto; previne o aparecimento de cáries e fortalece os ossos, pelo seu conteúdo em flúor.

 

Chá Preto: o pioneiro

 

Quem nunca tomou uma xícara de chá preto? Este é o mais processado dos chás feitos da Camellia sinensis, por isso seu teor de cafeína é maior. As folhas colhidas são esquentadas para que o óleo e as enzimas saiam, e então parte-se para a fermentação. O processo é interrompido e elas voltam a ser secas no ar. A oxidação das folhas as torna negras - daí o nome. Com tal técnica, a bebida tem sabor mais encorpado que as outras, em seu tom marrom avermelhado, que lhe rendeu pelos chineses o título de "chá vermelho". A quantidade de cafeína do chá é menor que a do café. Mesmo assim, ajuda na concentração e é vasodilatador. Somada com os bioflavonóides, atenuam-se os perigos de alimentos gordurosos, transformando-os em gorduras de alta densidade e as nocivas placas de gordura seguem com mais facilidade ao fígado, onde serão destruídas.